sexta-feira, janeiro 27, 2006

Jazz Funeral


Se eu me acabar
Como o dia acaba
Para recomeçar
Na terra do nada

Deixem comentários
Nos meus blogs de ontem,
Rasguem-me os diários,
Fumem, bebam, cantem!

Vejam-me no mar
E no céu tranquilo,
Que eu quero acabar
Com humor e estilo!

Cubram-se de cores
Chocantes, garridas,
E façam amores
Como quem faz vidas!

Soltem gargalhadas
Loucas e perdidas!
Desfilem paradas
Pelas avenidas!

Lágrimas não quero.
Cinzentas, pesadas
Águas do desterro...
Soltem gargalhadas!

Eu nada lamento...
Só o que não fiz.
Vou além do tempo,
Fora da matriz...

Se eu me terminar
Como um meteoro,
Deixem ressoar
Um espanto sonoro!

Vejam-me sorrir
Face à adversidade,
Que eu quero partir
Com personalidade!



Imagem de www.jazzmusic.net.

Poema de Joaquim Camarinha

3 Comments:

Blogger Fabio Frohwein said...

"Vejam-me sorrir
Face à adversidade,
Que eu quero partir
Com personalidade!"

Amigo poeta, como falta coragem aos homens de hoje assumir a filosofia destes versos em suas vidas! Muitos preferem o corporativismo à sinceridade. Abraços!

12:26 da manhã  
Blogger Mae said...

Palavras de longo alcance, poema duro, revela caracter e determinação.
Eu gosto por isso voltei.
Bom fim de semana

7:38 da manhã  
Blogger Jorge Simões said...

Um obrigado e bom fim de semana para vocês. :)

2:31 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter