sábado, janeiro 28, 2006

Flores de plástico

Flores de plástico de várias cores
Que cresciam ordenadamente nas salas de estar
E enfeitavam escritórios tão atarefados!...
Flores de plástico de várias formas,
Teclar repetido de máquinas de escrever,
Flores de aromas imaginários,
Flores nas infâncias que o tempo comeu...
Quem vos chorou a morte inescapável?
Quem vos levou no cortejo final?
O sol a entrar por frinchas nas persianas,
A luz a traçar geometrias no chão,
Encandeando olhos que já se fecharam,
Fotografias a cores velhas, desbotadas,
Flores de plástico, esborratadas...
Flores de plástico de várias cores,
Versos sem rima, ritmo e moral,
Flores esquecidas, flores carcomidas,
Futuro passado, presente irreal!



Imagem de www.spacetoday.org.

Poema de Joaquim Camarinha


4 Comments:

Blogger Lila Magritte said...

Gostei muito do poema. A imagem da flor plàstica carcomida e sim aroma è constante nas oficinas com uma luz artificial que mancha os rostros com a desesperanca. È de uma tristeza infinita.

Beijos atè teu blog.

9:42 da tarde  
Blogger Alma said...

Flores de plástico = a presente real...

Gostei, muito.
Bj.

11:30 da manhã  
Blogger Jorge Simões said...

Obrigado pela vossa presença. Um bom fim de semana. :)

3:15 da tarde  
Anonymous mae said...

Até para se ser flor é preciso sorte, umas enfeitam a vida, outras enfeitam a morte...mesmo de plástico.

5:21 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter