domingo, abril 19, 2009

Cinema vivo





Ouço na cabeça velhos gira-discos
E tudo me rodeia como um filme intruso
Um filme bizarro, surreal, obtuso
E música coberta de poeira e riscos

Tantos figurantes sem rosto nem idade
Falas que proferem mecanicamente
Gestos que repetem maniacamente
Tudo tão confuso na normalidade

Ouço apenas sons vagos de ondas contra a areia
Vejo apenas formas e cores misturadas
E as vidas de todos, todas tão quebradas
Perdidas nos palcos e eu na plateia

Sou um passageiro, espectador ausente
Preso a uma cadeira, condenado a olhar
Que enquanto eles partem estou sempre a filmar
E baralho tudo no tempo presente


Imagem de: http://sesantos.com.ph.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter