domingo, fevereiro 08, 2009

A bordo do navio pirata





Debussy pelas ondas sonoras de um café
E afinal é uma cantora soft comercial
Por entre o burburinho ensurdecedor
Do fumo de cortar à faca
A bordo deste navio pirata
Os ratos, o capitão rato, o Voador
O fumo de um cigarro rebelde
Azul sobre o cinzento nacional
Igrejas caiadas de um branco-sujo velho
Os sinos rachados junto à base
As gotas invadem telhas quebradiças
De um vermelho derramado e esquecido
No verde seco da vegetação rasteira
Castelos arruinados na linha da fronteira
Quem traça mapas quadrados
Ao longo da savana oblonga
De crianças estropiadas pelas minas
A quem resta apenas carvão enfarruscado
E condutores buzinam a raiva caótica
Atrás de carros avariados pelas ruas
São estes os nossos guerreiros actuais
E o ruído é tanto, tão intenso
Preciso de vitaminas e aspirinas
Para rebentar com o silêncio


Imagem de: www.praetorius.nl.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter