quarta-feira, março 21, 2007

Do olhar




Quem mais dorme assim, de olhos abertos,
Como eu, de olhos abertos a dormir,
Abertos, escancarados, ou túmulos selados
De pedra íntima, gélida, calada e secreta
Onde ninguém saberia penetrar impune,
Salvo eu mesmo - e nem eu mesmo - às negras badaladas,
Eu, sorvendo sequioso a minha hemoglobina,
Esse rio rubro que corrói a alma
Em metamorfoses tristes e empastadas,
Linhas tão correctas de um DNA indecifrável?
Sou a assombração privada do meu ser
E só assusto de morte e fatalidade
Os morcegos silenciosos que vivem pendurados
No olhar que guardo atrás do olhar
Do olhar do olhar do olhar do olhar...


Imagem de www.outdoorinasia.com.

1 Comments:

Blogger Maria P. said...

Do olhar...no saber olhar.

Beijinho enorme*

10:37 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter