quarta-feira, abril 15, 2009

Águas de Abril





Os anjos derramam tal tristeza
Feita de alucinações, condensações
Que em plena tarde e também aos serões
Se faz um mar sem fundo a natureza

Chovem nos jardins árvores curvadas
Ao peso dessas lágrimas tão duras
E o sol aprisionado nas alturas
Divaga em amplas solidões caladas

O passaredo abriga-se do vento
Num da capo fortíssimo e pausado
Como um tempo gasto entrecortado
Como um filme mudo em pensamento

Deixem-me dormir e acordar
Ao fundo deste Abril tradicional
Ao som de uma romaria estival
Ao brilho de ondas mornas de outro mar


Imagem de: www.news.wisc.edu.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter