terça-feira, março 03, 2009

Poema um pouco à toa





No local onde me encontro não entra o sol a brilhar
O barco parte para longe vogando nas ondas do mar
E o que é preciso é escrever e dizer o que calhar

O sol divide os dias com a chuva
Tudo tão belo
Tudo tão ocasional...

Nas salas de aula, a cem metros
Faz-se o futuro a fingir
Tudo é luzes a piscar, modernidade a fugir
Faz de conta a refulgir

Escuta-se um berro no ar e voa um aviãozinho
Aplaudem os deputados, magistrados, o vizinho
E nunca jamais o progresso terá sido tão visível

Talvez eu seja insensível...


Imagem de: www.mundim.net.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter