terça-feira, fevereiro 03, 2009

Tempo de crise





É tempo de chuva e crise nos becos dos desvalidos
Nas filas do desemprego, nas sopas dos despedidos
Caem gotas aos milhares no rés-do-chão das empresas
E oferecem-se côdeas de pão e bugigangas chinesas

Diz-se que é natural, que é o fluxo da economia
Que enche bolsos insolentes enquanto o mundo esvazia
E ladram os cães de fila nas casotas dos quintais
Lambem as mãos aos senhores e vigiam os portais

Em cujo lado de fora vão crescendo multidões
Que assistem no lado de dentro a festas, celebrações
Mas um dia sob o peso os portões hão-de ruir
E ai então dos cães de fila e dos donos a ganir


Imagem de: www.reviewjournal.com.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter