domingo, fevereiro 22, 2009

Os matadores de sensações (à indústria global)





Na arena triste, vasta, circular
Sobre a areia de ferrugem, num estertor
Repete-se o ritual triangular:
A besta, o público e o matador

Às voltas, numa fúria incontida
A besta perde as forças lentamente
Enquanto a gente aplaude adormecida
A perda do que é novo, contínua e dormente

É o sangue em jorros demasiados
A indústria dos sabores em prateleiras
As fórmulas dos olés banalizados
As imagens repetidas pelas feiras

E não há mais nada novo nas arenas
Onde a pop art aprisiona os corações
Em ritmos, sons, sabores, imagens plenas
Às mãos dos matadores de sensações


Imagem de: http://kintespace.com.

1 Comments:

Blogger (¯`·._.·[***Celina***]·._.·´¯) said...

Parabéns pelo blog, dentre outras coisas, amo poesia.
Bjobjo
Luxos e Luxos - moda, beleza, poesia e afins

10:40 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter