quarta-feira, janeiro 14, 2009

A natureza humana





O homem sai da missa para o adro da igreja
É uma manhã de sol e a aldeia é branca caiada
Estala um chicote no céu, começa o jogo do pau
Abrem cabeças, estalam ossos, uivam lamentos
E as povoações conquistam-se mutuamente
Em achaques de raiva e patriotismo local
Em domingos solarengos, no adro, após a missa
E foi assim que em Woodstock 2 se repôs a realidade
E que os genocídios são anormalidades que recobrem o planeta
E que todos temos direitos e os outros só deveres
Porque a natureza humana é fazer escravos submissos
Conquistar poder, estatuto, cortar cabeças a eito
E ver a morte abstracta e só os outros morrerem
A natureza humana é a bruteza, não a consciência
E os deuses espreitam por vezes com ares de concupiscência


Imagem de: www.christonthecrapper.com.

1 Comments:

Anonymous Anónimo said...

De facto não deveriam existir nuvens negras na vida de ninguem, a vida é bela e colorida, lamentalvelmente à seres que são felizes em colcar essa nuvens sobre que quer só ser feliz.

4:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter