quinta-feira, maio 25, 2006

Saudade ou nostalgia?


As línguas vibram à sombra do planeta...
Tocam-se, por vezes, sem que se penetrem,
E só se compreendem no espaço mítico do sonho.
É por isso que há artistas e tradutores,
É essa a razão dos paraísos artificiais.
As línguas movem-se em sonoridades desconexas,
Querem falar, instintivamente, do que desconhecem:
O gosto do animal não abatido,
O passear-se às cavalitas do leão...
Emaranham-se no crescendo das palavras,
Tornam-se a teia sem jamais serem a aranha.
Saudade ou nostalgia?
Diariamente, as línguas calam e golpeiam
Por serem incapazes de se definir.


Imagem de www.flickr.com (fotografia de True Bavarian).

1 Comments:

Blogger Lila Magritte said...

Gran poema. Una lengua que traduce a otra y absorbe su sentido como quien comparte un sueño.

3:27 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter