sexta-feira, maio 19, 2006

Mil anos de solidão


O negrume é.
Nada sei da gravidade,
Desconheço as sensações,
Devo ter parado de respirar...
Zero dissoluto.
Nada é absoluto
Ou virtual.
Criam-se palavras...
E não são elas desde nunca?
Imensa claridade atroz,
Afonia, silenciada voz...
Disse negrume?
Podia ter sido árvore, mesa, muro, fonte, fósforo...
Achas que se trata do nirvana?
É um cansaço tão viral
Que obriga ao esforço impossível
De reformatar tudo o que é
E não se dilui com cem anos de sono.
Bruxa, é tua a vitória virtual,
Personagem maior de cada fábula naturalista.
Escuta o silêncio do mundo natural...
Este post-universo, vácuo e esgotado,
Tamanho nada, metafísica ausência!
Todas as coisas fingindo mover-se...


Imagem de www.medievalcottage.com.

1 Comments:

Blogger Anarquista Duval said...

Gostei da forma como o real foi tratado

3:46 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter