segunda-feira, fevereiro 13, 2006

Bluffart nº 2

Campo de alfaces urbano com minhoca nº 2 (tela de Joaquim Camarinha)



Encontro-me submerso numa maré cheia de tristes obras de arte,
Que nem tristes são, por só conhecerem a tristeza dos dicionários,
Obras-primas do calaceirismo, pós-calaceirismo,
Pré-calaceirismo talvez, na mais triste hipótese...
Coisas que me anestesiam os sentidos
Como a música que chega a rastejar do elevador.
Ou talvez não sejam tristes mas alegres,
Ou vice-versa para quem quiser, que sei eu?
São obras de arte tristes e alegres porque relativas como tudo o mais...
Eu próprio não tenho certezas. E como poderia ter?
Os críticos ufanam-se na procura ufanadora do novo
Em que o novo vibra de espanto face à absoluta incompetência do passado...
Diletância, diletância, absoluto-relativo, e quem tem algo a acrescer?
É um universo Einsteiniano em que minhocas jogam com dados viciados.

Poema de Joaquim Camarinha

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter