segunda-feira, junho 08, 2009

O homem só





Há um cavalheiro encanecido
Num café onde costumo ir
Que fala solitariamente, convencido
Que pouco importa que o estejam a ouvir

Vai fumando cigarro após cigarro
E tossindo num tom cavo de igreja
Da vida que passou o denso escarro
Que ninguém entende nem deseja

E os outros, em redor, riem, esquecidos
Indiferentes ao morrer da alma alheia
Enquanto eu teço frases e sentidos
Longamente, como a aranha tece a teia


Imagem de: http://jeffreygoldsmith.com.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter