sexta-feira, maio 29, 2009

Ramo contundente, rumo contundido





Eu nunca sou o que escolhe
Limito-me a ser escolhido
Nunca sigo a via recta
Mas o rumo contundido
Nunca sou o meu maestro
Mas sim o que é dirigido
E causam-me igual impressão
O Inverno e o Verão
O silêncio e o ruído
O concreto e o indefinido

Os próprios ramos rasgados de uma árvore indolente
Agridem-me à passagem
Quando sigo, o olhar erguido, fixado numa miragem
Passando pacificamente

Que me embatem surpreendido!

Talvez devesse ir rasteiro
Talvez devesse ir inteiro
E o mundo fizesse sentido


Imagem de: www.galleryhenoch.com.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter