domingo, janeiro 11, 2009

Pobre peregrino





O mundo cobre-se de gelo fino
E ai de quem sobre ele avança
Pobre viajante, pobre peregrino
Cumprindo promessas, cego de esperança

A intempérie pouco deixa vislumbrar
Feita de miragens, vida incoerente
E sabe que algures, sobre algum altar
O aguardam novas cruzes de sangue corrente

Partiu-se-lhe a bússola, perdeu o caminho
Estala o gelo cru, tem que se apressar
E onde quer que chegue está sempre sozinho
Num mundo sem metas, sempre a continuar

Pobre do migrante enredado em teias
Sem fé que lhe valha no surdo planeta
Longe das lareiras e das mesas cheias
À força um guerreiro, à força um asceta


Imagem de:www.jchristophergalleries.com.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter