sexta-feira, janeiro 16, 2009

O silêncio





O silêncio é de ecos feito
Silêncio, êncio-êncio, cio
Que ocupa o espaço vazio
Dos pensamentos a eito

Como catedrais imensas
Com lápides tumulares
E gárgulas nos espaldares
Desenhando sombras tensas

Como planaltos de neves
Com raios de sol cegantes
Abraçando os viajantes
Em avalanches breves

Como ruínas inglórias
Com móveis cobertos de panos
E aranhas tecendo os anos
E o som seco das memórias

Como fotos do passado
E roupas que o tempo esgaça
Carcomidas pela traça
Em preto e branco pesado

O silêncio é comprido
Fantasma ensurdecedor
Que ocupa o ódio e o amor
E a tudo nega o sentido



Imagem de: www.mouscrou.be (tela de Pierre Marechal).

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter