sexta-feira, dezembro 19, 2008

Poema simples à beira do Inverno





Voga baixo o sol calado
Voa baixo e rubicundo
Vai tão fundo como o mundo
Cai no horizonte cansado

E o tempo fica parado
No olhar de quem o sente
O tempo não mais premente
No horizonte gelado

Além do vidro lavado
Da mesa e o café comprido
Do fumo azul desprendido
O dia queda hibernado

Um dia, o Inverno passado
O sol brilhará novamente
Na folha, na luz, na semente
Na roda do mundo acordado


Imagem de: www.allposters.com.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter