segunda-feira, novembro 24, 2008

Vidro estilhaçado





Os vidros grossos estilhaçados cobrem o chão da entrada
No café assaltado por uma chuva de portugalidade actual
E o mundo enregela e congela a consciência silenciada
Dos que em gabinetes aquecidos governam Portugal

Folhas amarelas doentes vermelhas do sangue colectivo
Gotas assertivas que não lavam nunca os passeios desertos
As copas que se vergam à fúria do vento furtivo
E os cães abandonados encharcados de destinos incertos

É um mundo frio cinzento dito realista
De uma realidade crua tendenciosa de matrizes
A realidade do condómino que apenas se avista
E a que se toca e dói no peito dos infelizes


Imagem de: www.sxc.hu.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter