sexta-feira, janeiro 05, 2007

Portugal


A rataria ataca a toda a brida,
Não tem vergonha nem escrúpulo qualquer,
Joga com taxas, juros e o que houver,
Ratando os frágeis fios desta vida.

Sujam os mármores e os altos balcões
De vil excremento, podre e descarado,
E inventam jogos num tempo calado,
fazendo do alheio largos milhões.

A rataria, os insectos ladrões,
Escudam-se em leis e escondem-se em decretos
E sentem-se limpos entre os dejectos...

Vivem em tocas chamadas mansões
Só para o seu queijo que cresce incessante
Como uma bola de lixo mutante.


Imagem de http://tuxcafe.org.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter