sábado, junho 17, 2017

Os gritos silenciosos


Vejo os camiões passar
Junto às árvores derrubadas
Entre casas descascadas
Como exclamações no ar

E além de etéreos compridos
Vive o delírio da cor
Que artifica a humana dor
A buzinar nos ouvidos

O cancro gargalha sozinho
Com a diversão que traz
A convicção tão sagaz
De que o mal é o vizinho

E buzina como um louco
Mata a rua convencida
De que é grande e que tem vida
Buzina até eu ficar rouco

E a rouquidão é saudável
Silêncio com o bloqueio a Cuba
Os icebergues aos saltos
Os assassínios no ecrã
Regras rígidas de interesses
Safam-se como bem podem
Por mais que se grite e buzine
O cancro ri com cinismo
Da afonia desejável

Imagem de: Tumblr

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter