quarta-feira, maio 13, 2009

Anacronismo metereológico





Um bueiro, um bueiro e outro bueiro
E o carro como um barco a balouçar
Parece mais que estamos em Janeiro
Algures, não em terra e sim no mar

Com os deuses da chuva e tempestade
Dançamos a uma luz crepuscular
Um tango que desliza pela cidade
Quebrando hastes de rosas com o olhar

Um cheiro húmido, um cheiro e outro cheiro
A vida e a morte no movimentar
Deste universo escuro e sorrateiro
Com as nuvens sempre, sempre a ameaçar


Imagem de: www.ci.austin.tx.us.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter