quarta-feira, dezembro 17, 2008

O lobisomem





Ninguém quer nada com um rapaz diferente
Que percorre solitariamente as ruas
Às horas mortiças de pálidas luas
Quando os incautos dormem longamente

Ninguém quer nada com um rapaz soturno
Em contacto agreste com a natureza
Tímida e selvagem, feita de incerteza
Raio fulgurante sob o céu nocturno

E todos ignoram o seu uivo triste
O seu arranhar de portas e muros
O seu caminhar por becos escuros
Onde a raiva mora e a norma não existe

Também assim tantos percorrem vidas
Escondendo nas sombras a duplicidade
Num mundo aparente de normalidade
Em que com os iguais vão lambendo as feridas


Imagem de: www.home.no.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter