quarta-feira, fevereiro 28, 2007

Lama




O tapete de cardos do inverno desenrola
Infindáveis coroas de espinhos renováveis
Numa sala de torturas medieval, roçando o surreal,
Tantos cardos, humidades, e as rosas todas mortas
Em jardins ressequidos, desolados,
Aguardando o perpétuo renascimento ilusório
Neste inverno que é um purgatório.
Os fortes assumem decisões
E os fracos rastejam sob a lama...
Só apetece a diluição na cama!
Fortes, fracos, títulos e rótulos
E a lâmina do vento que nos arrasta
Por oceanos de tempo, mares de pasta...


Imagem de www.travelblog.org.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter