domingo, abril 23, 2006

Chuvisco e cão vadio

BAÚ DE MEMÓRIAS


Pingam da minha caneta avariada
De forma metódica, insistente e calada
Gotas azuis de tédio e desfastio
Como lá fora sobre o pêlo de um cão vadio

Ignoro se pensa ou se uiva mentalmente
Recordando um osso amargo, uma cadela indiferente
Mas sei que as gotas, ridículas e espaçadas
Lhe dão um olhar triste em tristes caminhadas

E o chuvisco cai, cai, cai como a existência
Que o vejo percorrer com lenta persistência
Espécie de cão de Pavlov que só interiorizou
Da vida a recompensa do chuvisco que o molhou

25 de Maio de 2000


Imagem de www.sashadesign.com.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter