segunda-feira, maio 31, 2010

The big brotherchip





É o martelo que nos impede
De esfacelar o olhar do inimigo
A masmorra funda onde a rataria
Anula o tribal que assim se esvazia
De machos guerreiros e abstractos, do perigo,
De fêmeas que aplaudem e vivem da sede

O controlo é urgente e civilizado
Começa em criança e nunca termina
Reza-se no céu, geme-se no inferno
Vive-se com pulseiras de controlo eterno
Que não são limpas sequer pela vermina
Que desprotocoliza o mundo fechado

Tudo é tão perfeito no imaginário
Colocam um chip no nosso automóvel
E um segundo chip no coração
Como no rodopio do escorpião
Mexem-te no cérebro para te ter imóvel
E encerram-te os gritos dentro de um armário


Imagem de: www.alteredesthetics.com.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter