quinta-feira, janeiro 29, 2009

Janeiro submerso





Esta humidade é uma vasta cabeleira
Sufocando Sansões e anões de igual modo
Um espaço impenetrável sobre a terra inteira
Um mar pré-câmbrico afogado em lodo

Um lodo que corrompe tudo o que se move
Com modos de adolescente irreflectido
Que fala em demasia e nunca se comove
Com a miséria alheia e a ausência de sentido

Janeiro imenso, tenso e lamentável
Cobrindo os dias de uma sombra compacta
Numa redoma baça de vidro inquebrável
Onde eis-nos prisioneiros da infinitude exacta

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter