segunda-feira, novembro 10, 2008

Tsunami





As nuvens pairam cinzentas estranhas descoloridas
Ora claras ora escuras as nuvens desconhecidas
E no solo nas cidades de luz artificial
Negoceiam os poderosos os cheques em branco do mal
Fazem do mundo um casino de máquinas viciadas
E julgam-se ilusionistas nas suas mansões fechadas
E a populaça festeja o seu suicídio iminente
Embriagada pelo vinho da ignorância contente
E a corda estica que estica prestes a rebentar
E ninguém vê o tsunami que se prepara no mar
Nem os poderosos loucos com o cheiro do dinheiro
Nem as massas iludidas engolindo o companheiro
Mas pairam nuvens cinzentas e ruge em crescendo o mar
E ninguém vê o universo à beira de desabar


Imagem de: www.superchefblog.com.

3 Comments:

Anonymous Anónimo said...

O cardeal Richelieu era eminente, mas este suicídio parece-me iminente...

P.

6:45 da tarde  
Blogger Jorge Simões said...

Sin, sim... Obrigado pela visita e pela correcção. Por acaso, seria fácil de justificar a gralha, causada pela escrita apressada, com uma ligeira mudança de sentido que não prejudicaria o texto. Mas está corrigido.

1:36 da manhã  
Anonymous Dulce Barosa said...

Tal como imaginei, prefiro a poesia de intervenção...

Amanhã faço a hiperligação à folha literária,hoje tenho uma auto-punição, vou ver Entre les murs.:)

Dulce

4:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter