sexta-feira, julho 28, 2006

Triste secura meridional/Nazaré

Como até os poetas têm direito e necessidade, tirei uns diazitos de diferença e fui dar uma voltinha por Portugal. Desses dias resultaram dois poemas com uma tonalidade um quanto clássica. O primeiro, chama-se Triste Secura Meridional - um soneto, com tudo exactamente no sítio, decassilábico, ABBA ABBA CDE CDE e uma finalização, para que ninguém possa olhar com olhos de carneiro mal morto para o que escrevo e afirmar "o meu filho também faria isso"... Que diabo, sem retirar mérito e capacidade aos filhos todos, convém aprender e praticar antes de se fazer! ;) O segundo, três quadras decassilábicas, chama-se Nazaré. Dentro de momentos, regressaremos ao verso livre... O que realmente me interessa é que me agradem e vos agradem.


A triste secura meridional
Explode sobre a erva entontecida,
Pelas cores da terra amarelecida
E pelo vento raso, diagonal.

Ao fundo da planície adormecida,
Embalada por vozes e buzinas,
Irrompem as cidades, pequeninas,
Onde fervilha o caldeirão da vida.

E sorvemos o caldo português,
A espátula na pátria surreal,
Tão pálida no tom ocre do ar...

O suor sobe em gotas pela tez
Morena da planura tão carnal,
Capturada no molde do olhar.



Escutam-me esse silêncio milenar
De sete véus, céus, saias de negrume,
Mercadores de sóis falsos frente ao mar
Que tudo esconde, menos o azedume.

Surgem rostos, Amália, a tradição,
A quilha de barquinhos, anjos, santos,
Talhados em linhas falsas na mão
Que agonizam, lentas, em desencantos.

Apazigua a minha alma coberta
De altos cúmulos de saudade feitos,
Nossa Senhora desta rota incerta
Que amamentas o caos com os teus peitos!



Imagens (a cores) de www.plainscents.com e www.planet-interkom.de.

3 Comments:

Blogger Maria P. said...

Fiquei encantada.
Que sensibilidade, consegues sempre surpreender-me, obrigada.

Beijinho.

10:17 da tarde  
Blogger Jorge Simões said...

Muito obrigado e um beijo. :)

3:42 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Eu vi a Nazaré... e gostei muito desta terra de pescadores e do apaziguamento da alma.

Beijo

Viajante de Portugal

12:07 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter