quarta-feira, junho 21, 2006

Avant-garde repetida


Pois será que, com tanta experiência e responsabilidade,
Nunca nenhum de nós se tenha apercebido
De que tudo se encaminha para o fim
E que não há céu algum, somente inferno?
Não sentes o universo a esturricar?
Espreita o vácuo sobre todos os telhados...
Nem estrelas banais há, na cidade onde vivemos,
Quanto mais santos, anjos e estrelas de Belém!
Há que adoptar a fleuma durante a representação...
Porque, no final, é a habitual encenação enjoativa,
Sádica, absurda, repetida e avant-garde,
Em que todos somos culpados para alguém.


Imagem original de www.contrib.andrew.cmu.edu.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter