sexta-feira, junho 17, 2011

Aves de Junho


Tempo de Junho, quase invisível
Com o céu espesso, cerrado a ferrolho
Quer para santos, quer para pecadores
Se não se escutam quaisquer estertores
Tudo sereno, tudo de molho
E, à superfície, nada há de sensível

Graças aos céus, canta o passaredo
No seu dia-a-dia pleno, natural
Que se escuta inteiro e ilumina a vida
Tornando mais clara a manhã comprida
Entre o casario quase escultural
O tão informal cântico sem medo

Imagem de: www.portuguesbrasileiro.istockphoto.com. 

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter