segunda-feira, março 15, 2010

Da ausência eventual de Deus





Recordo tecnicamente o êxtase da existência
A mão divina como uma rede para equilibristas
Isso era num espaço que alargava as vistas
Num tempo não consumido pela luz da ciência

Fiz-me então um ultra-romântico bizarro
Como uma Cassandra sem fé sustentável
Preso a uma cruz de pau maleável
Denso como o incenso que imita o cigarro

Nem sei bem se existo no fado da morte
No vira da vida, no can-can perdido
Que me chega vago ao cérebro, ao ouvido
Todo diluído num remoinho forte

Quero uma moeda para cruzar o rio
Quando chegue a hora pouco consistente
Um beijo na cama como manta quente
Para contrariar o inverno e o frio
Para equilibrar o grande vazio
O imenso buraco de um Deus insciente


Imagem de: http://exigeant.canalblog.com (tela de Ben Goossens).

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter