quinta-feira, julho 09, 2009

Rato de laboratório





Quem chamou heróica à vida no limite?
À perda omnipresente, à alma doente,
Ao sono inquieto, ao mundo decadente,
Quem mitificou tudo o que não permite?

Que eu saiba, James Dean acabou rebentado
E não é um anjo da velocidade,
Não paira no campo nem na cidade
E o olhar perdeu-se, para sempre calado.

Tudo morre a tempo e há quem morra pior...
A vida de um rato preso, encurralado,
Sem fuga visível, num tempo parado,
É uma auto-morte e uma dor maior.


Imagem de: http://news.bbc.co.uk.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter