quinta-feira, novembro 06, 2008

Foz





O rio segue alongado
Como uma larga serpente
Que engole o tempo calado
E vai morrer no poente

Tudo estaca à passagem
Dessa energia contida
E estaca a própria paisagem
Cristalizada e dorida

Os barquinhos junto ao mar
As nuvens encasteladas
As aves sós a piar
E as folhagens douradas

Tudo cai no oceano
Nesse lento sorvedouro
De azul profundo, inumano
Gigantesco e imorredouro

E além da roda cadente,
Dos monstros engolidores
Há mais flores, nuvens, gente
E o aroma doce das flores


Imagem de: www.jokerartgallery.com (tela de Sousa Chantre).

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter