quarta-feira, outubro 08, 2008

Enterra o focinho

Baú de Memórias



Enterra o focinho bem na areia, cão
Na linha da sombra que rebate o marulhar
Onde o teu faro se pode perder no chão
E os meus pensamentos se vão enterrar

Fecha-me bem essas pálpebras castanhas
Qual cólica mole e mal imaginada
Longe do sol queimador de entranhas
Longe da vida e da luz torrada

Enterra o focinho e deixa-me ficar
Crente que também posso ser assim
Imerso em funduras, só a sonhar

Enterra o nariz negro bem até ao fim
Como uma rosca por desenroscar
Total simbiose, totalmente em mim

12 de Janeiro de 2000




Imagem de: www.photographyblog.com (fotografia de supersajanas).

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter