quarta-feira, setembro 19, 2007

Mais um para o Alexandre





Nas vastas vagas onde vogam verdes algas
Frescas e fotosintéticas e nos picos montanhosos,
No teu pino e no do sol inundando pátios brancos,
Nos bancos dos jardins, nas bolas que rebolam
Em campos de relva curta e nos ecrãs digitais
E mais, em tudo sublimado como a voz dos passarinhos
E em Deus, porque tudo em ti é Deus
Reflectido na roda da vida e da alimentação
Que engoles em grandes garfadas de gargalhadas e na lágrima ocasional
Que encostas ao meu ombro futilmente forte,
Vive uma certa continuidade e o amor real
E quem te dera eternamente total, igual a ti e a nós,
Meu filho, minha ilha serena, fresco oásis doce
Onde tudo é inocência ainda e esperança precoce...

3 Comments:

Blogger Maria P. said...

...lindo.

Beijinho ao Alexandre e outro para ti*:)

10:56 da tarde  
Blogger Lila Magritte said...

Mis saludos a la poesía.

5:55 da tarde  
Blogger Laís Mendes said...

Achei seu blog por aí...
Lindíssimo poema Jorge...
Parabéns!
Filhos... Devem ser a maior benção da vida...

Mt inspiração pra ti!
abraços

1:16 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter