terça-feira, agosto 08, 2006

Canícula


No topo de copa nenhuma
Não canta pássaro nenhum
E folhas nenhumas fervilham
Sobre os passeios liquefeitos.
Como tornar lírica a temperatura?
Ou se está bem ou doente,
Doente na vida... Quem não está?
Rodeiam-me múltiplos franceses com sotaque,
Um sotaque seu, de trabalho e risco,
Os que escaparam ao sono milenar
Em canículas fornalhas de usinas nacionais.
Talvez queiram trabalho e não emprego...
E porque não hão-de querer ambas as coisas?
Empresários torcem narizes e choram amarguras,
Chupando charutos em jantares de inimigos.


Imagem de www.infinitygc.com.au.

1 Comments:

Blogger Lila Magritte said...

¿Qué hacer ante este espectáculo?

2:20 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter