segunda-feira, fevereiro 22, 2010

O amordaçar da poesia confundida





A poesia esgueira-se nas frinchas da realidade
Mistura-se com a chuva
Perde-se na cidade
Joga às escondidas com cabalas e manigâncias
Inverte-se inteira no dilúvio de arrogâncias
Esquece o próprio nome e a identidade

Deus observa tudo tão passivamente
Que é como se fosse, tão racionalmente
A inexistência do tempo presente


Imagem de: http://soundbiteblog.com.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter