segunda-feira, julho 03, 2006

Cansaço universal


Há anos que o sol se fundiu.
A lua não mora no fundo da tarde.
Estrelas? Tristes fornalhas estéreis!
- gemem o homem e a raposa.
Algures, em tantos, tantos simultâneos,
Fazem-se versos, serenatas, danças coladas,
Brinda-se com piñas coladas ao crepúsculo...
Tragam-me um copo de água disfarçado de aguardente!
Carrego um triste cansaço, uma fornalha,
Estéril, estéril, Deus me valha!
Mas ele corre além dos brilhos,
Das estrelas apagadas, cometas, quartos minguantes...
Nunca estrela alguma o viu,
Nunca as que o tempo apagou,
As que morrem no olhar,
As sanguessugas eternas
Dos brilhos por realizar!


Imagem de anã branca de www.linux-magazin.de.

2 Comments:

Blogger Anarquista Duval said...

É o que se precisa copos de água disfarçados de aguardente!!!

Gostei.

11:43 da tarde  
Blogger Lila Magritte said...

Las estrellas brillan por alguna oscura razón.

6:26 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

advertising
advertising Counter